-Vô? - gritou a jovem assim que entrou em casa. Não obtendo nenhuma resposta, Max caminhou lentamente em direção ao foco de luz que se encontrava na cozinha - Vô, por que não respondeu quando eu chamei? Fiquei preocupada. - Mas o homem sentado de costas na mesa da cozinha não era o seu avô – Quem é você?
-Eu posso ter sumido por muitos anos minha filha, mas isso não significa que virei um fantasma. Como vai Max? Aceita um café? - disse ele balançando uma caneca verde em direção a ela que educadamente recusou com a cabeça - Acho que temos muito que conversar. 
-São onze anos de história.
-Eu sei que não tem perdão pelo que eu fiz Maxine...
-Então pare de pedir! Você não pode sumir durante onze anos e achar que quando você voltar vai ser como se você nunca tivesse partido. Você foi embora depois que minha mãe foi embora, não aguentou ser pai sozinho. Não sei nem por que voltou. Estava bem sozinha.
-Simples e direta, assim como sua mãe. Sabia que você está cada vez mais parecida com ela? Só falta os óculos fundo de garrafa.
-Não fale dela, por favor.
-Tem certeza? Tudo bem então, mas acho que te interessa saber que ela morreu. 
-O que?!
-Ela morreu.
-E nunca passou na cabeça de ninguém me contar isso? Aliás, como você ficou sabendo disso? Onde você esteve? Onde ela esteve?
-São muitas perguntas Max. Não posso responder agora, mas quem sabe outra hora.
-Outra hora é o inferno! – gritou Max batendo a mão na mesa – Você e minha mãe me deixam quando eu ainda era uma criança e onze anos depois você volta dizendo que minha mãe morreu e não quer que eu faça nenhuma pergunta? Onde está com a cabeça?
-Max eu entendo toda sua raiva e acho perfeitamente aceitável, só acho que...
-Você não tem o direito de achar nada! Por que você voltou em primeiro lugar?
-Digamos que eu tenha que limpar alguma bagunça por aqui.
-Você é inacreditável – disse Max caminhando em direção à porta.
-Eu acabo de voltar e você me dá as costas? Eu ainda sou seu pai!
-Ai é que está eu não tenho mais pai.

***

"ding dong"
-Max, que surpresa! Você quer entrar? 
-Eu quero conversar com você, eu quero chorar até meus olhos caírem e eu quero um pouco de cerveja. 
-Sem problemas... Por que você não entra e se senta enquanto vou na cozinha e vejo se tem algo gelado para nós? 

Deixe um comentário