Muito provavelmente você entrou no Google hoje. Talvez porque tinha uma pesquisa para fazer, porque é a sua página inicial ou simplesmente porque um amigo te disse para fazer isso, enfim, não importa o motivo. Apenas que você talvez tenha dado uma passadinha no Google e se deparou com o banner/vídeo de comemoração aos 101 anos de Hedy Lamarr.
É uma animação adorável, preciso dizer, e muitas pessoas, assim como eu, conheceram a grande mulher que foi Hedy Lamarr apenas pela animaçãozinha do Google e ficaram surpresas com o fato de que uma moça com uma beleza encantadora foi capaz de criar a basa do que hoje chamamos de sistema de telefonia. E aí que começam os problemas. 
Uma mulher não tem sua beleza definida pela pequenez de seu cérebro e nem a sua inteligencia pela sua falta de beleza, começamos por aí. Talvez lá na época da Hedy Lamarr uma mulher ser capaz de ser atriz, lindíssima e extremamente inteligente fosse algo absurdo e pouco comum, mas isso foi lá em 1940. Estamos em 2015 e as coisas certamente mudaram, certo? Errado.
Olhando o Facebook me deparei com um texto de um amigo (não amigo apenas no Facebook, mas amigo mesmo) em que ele esboçava uma imensa surpresa pelo fato da atriz que gravou a primeira cena de orgasmo do cinema ter desenvolvido tecnologias capazes de ajudar na II Guerra Mundial. Alguém pode me explicar como ter o primeiro orgasmo filmado impede alguém de ter completo domínio da sua capacidade intelectual? 
Claro que eu entendi o ponto do meu amigo de que era incrível a mesma mulher ter feito tanto a cena do orgasmo quanto ter contribuído com tecnologia de guerra e é incrível sim, fantástico para ser sincera, mas não deveria ser. Deveria ser comum entendermos que as mulheres são capazes de várias facetas, que ter uma qualidade não excluí a outra. Estamos em 2015! Não crítico este meu amigo, ele é ainda mais vítima da sociedade do que qualquer mulher pois foi ensinado desde pequeno que mulher bonita é mulher burra. Eu poderia ter escrito tudo isso para ele no whatsapp, poderia mesmo, mas não ia valer de nada. O erro não é pontual, o erro não é apenas dele. Não adianta nada eu querer corrigir a maneira que ele vê a sociedade se a sociedade não estiver pronta para se corrigir.
Há um pouco mais de um ano atrás (29/10/14) eu escrevi um texto (clique aqui para dar uma lida) onde eu dizia que a sociedade não estava pronta para enxergar as várias facetas de uma mulher, e bem, é verdade. 

Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário