Se o Zac Efron está no elenco eu vou assistir ao filme, simples assim. Preto no branco. E bem, acho que não sou só eu que penso assim, pelo menos não foi isso quando fui assistir a sessão das dez da noite, legendada de "Namoro ou Liberdade", o último filme do ex-galã teen. Sim, teve um burburinho quando ele apareceu logo nas primeiras cenas.


Aos poucos ele está deixando de lado a inocência que Troy Bolton lhe deu, escolhendo papéis que possam mostrar sua versatilidade como ator e como pessoa, algo que começou com o filme "17 Outra Vez". Ele ainda não fez nada que marcasse uma transição completa de galã teen para galã, mas antes uma transição tranquila do que uma versão masculina e cinematográfica de "Wrecking Ball". Seu público, seus fãs, ainda que mais novos do que ele, estão amadurecendo com ele, o que talvez ainda dê a ele mais algumas chances de mostrar que não é só mais um rostinho bonito na indústria de cinema norte americana.


"Namoro ou Liberdade" é um bom reflexo por meio da arte de um comportamento que assola milhares de rapazes de vinte e poucos anos em quase todos os países do Ocidente: o comportamento de ser um solteirão convicto, do tipo que evita relacionamentos duradouros. Ainda não se sabe ao certo o por que dessa "epidemia social", mas ela está cada vez mais frequente - e o que os filmes não mostram é que tem cada vez mais mulheres assim, mas não vou entrar nessa questão. Não hoje, não agora.


Eu achei bem fiel a realidade, dá para facilmente identificar pessoas como Jason, Daniel e Mikey no seu cotidiano. O filme é regado a piadas sujas e com grande apelo sexual, mas não vejo isso como de todo mal. Cinema é uma arte e a arte imita a vida, simples assim. 
Gostei do roteiro também, da maneira que dividiu o destaque entre os três amigos deixando visível que o personagem principal era Jason (Zac Efron) entre as cenas finais, embora tenha achado que o filme demorou para engatar. 

Não é meu filme favorito, mas é excelente caso queira descontrair um pouco. 
Beijos
S.S Sarfati

UM COMENTÁRIO ❤

  1. Me diverti assistindo, e achei meiiio clichê: no final todos encontram a mulher perfeita e largam a vida de solteiros e bebidas. Mas, bom filme

    ResponderExcluir