Respirei fundo, o que eu estava fazendo aqui?! Não posso ficar um mês chorando pelo namorado que terminou comigo? Foi o meu primeiro namorado e além disso, eu abri mão de muita coisa pelo nosso relacionamento. Tipo ter um cachorro. É, chegou um momento dos últimos quatro meses da minha vida que minha mãe virou para mim e perguntou se eu preferia um cachorro ou poder namorar. Óbvio que eu disse namorar. O que eu não diria para estar ao lado daquele babaca nos últimos quatro meses? Mentira, o que eu não diria hoje para eu estar ao lado dele? Eu ainda gosto dele e não entendo por que nós acabamos. Quero dizer, estava indo tão bem... Um belo dia ele chegou e disse que do jeito que estava não dava para ficar e que queria terminar, não disse o motivo ou algo parecido. Eu fiquei de coração partido. Hoje faz um mês que terminamos: muitas perguntas e nenhuma resposta. Quero chorar.
Aonde estou? Cinema. Fazendo o que? Bem, eu também não sei. Mas minha amiga Amélia disse que sair de casa me faria bem, duvido bem. Ela escolheu o filme: é uma daquelas comédias românticas bobinhas cheias de amor para dar. Se fosse a quatro meses atrás eu mesma teria escolhido esse filme, mas hoje eu quero que o amor se exploda. Sim, estou extremamente recalcada. E para ajudar na nossa sessão só tem casaizinhos. Quem é aquele de blusa azul? 
Eu. Não. Acredito.
É ele.
Com a nova vagabunda dele. Não que eu fosse a "velha" vagabunda, de forma alguma sou vagabunda. Mas todo mundo me entendeu. Ele já está está com outra! Por isso aquele babaquinha terminou comigo, para poder ficar engolindo aquela peituda baixinha toda vez que ela enfia a língua na boca dele. Ei sai, ele é meu! Ou costumava ser.
Eu realmente não acredito que isso está acontecendo.
Eu não consigo acreditar que ele vai assistir ao mesmo filme que eu, com aquela vagabunda. 
Eu quero matar a Amélia. 
Sou a última da fila para entrar na sala, não sei se isso é bom. Não quero que ele me veja. 
Eu já disse que só tem casais? E que eles ficam se amassando na fila? Isso é super desnecessário. E eu deveria ter comprado a pipoca grande. Não, pera, eu comprei a grande. Eu deveria ter comprado a mega. Fila, fila, fila. Ingresso, ingresso, ingresso. Ufa, entrei. Vamos lá, assento J8. Seria J de Jesus? Não, definitivamente é J de Satanás, por que isso só pode ser obra dele. Os dois estão exatamente na minha frente! I8 I9! Estou tão feliz! 
O filme ainda está na propaganda sobre a brigada de incêndio e eles já estão se engolindo, como assim? Jovens, isso daqui é cinema de família! Para ser honesta, todos a minha volta estão se engolindo. Literalmente. Até Amélia. Ela deu um perdido na hora ir para o banheiro, duvido muito que apareça e se aparecer vai vir com carinha de cachorrinho dizendo "Mas você devia ter visto ele! Tão gato, tão alto, tão loiro!". Cara, é impossível que todos os caras que ela fique sejam bonitos, altos e loiros. IM-POS-SÍ-VEL. Estou de volta ao mercado há um mês e não trombei com um desses.
Por que isso está acontecendo? Por que comigo? Já não tenho sofrido o suficiente? 
Eu posso ficar reclamando, mas também posso olhar para minha situação atual: cá estou eu, numa sessão de cinema às três da tarde, com duas pipocas e dois refrigerantes. Eu posso ficar olhando como meu ex beija a atual ou como ela beija ele de olho aberto, mas também posso tratar de ser feliz. Posso tratar de comer minha pipoca e de beber meu refrigerante. E na verdade, é bem isso que vou fazer. 

Beijos
S.S Sarfati

2 COMENTÁRIOS ❤

  1. Isso aconteceu de verdade? Nossa que horror...
    Meu ex é uma história bizarra... faz 1 ano que terminamos e até agora evito frequentar os mesmos lugares que ele
    Não sei se esse texto (muito bem escrito por sinal) é verídico ou se é inspirado em alguém, mas se for verdade, você é MUITO forte

    ResponderExcluir
  2. "Não que eu fosse a "velha" vagabunda, de forma alguma sou vagabunda"
    Concordo que você não é vagabunda, mas pra vc o que é uma vagabunda?
    Faz um texto falando de vagabundas piriguetes e tal, do seu ponto de vista?

    ResponderExcluir