Tem história mais confusa que a da Bela Adormecida?

Confusões são chatas. Confusões são verdadeiras pedras nos nossos sapatos. Confusões, por definição e certa obviedade, são confusas. 
Eu pelo menos não conheço ninguém que goste de estar confuso ou em uma situação assim. Quero dizer, é chato. É como se você caminhasse, caminhasse e caminhasse, e mesmo assim, estivesse perdido. É como se você nunca fosse encontrar um caminho - e olha que nem precisa ser o caminho certo, basta ser um caminho. 
Além do mais, a confusão representa uma incerteza. E seres humanos não foram feitos para estarem incertos sobre algo. Somos paradoxais, mas nem tanto.
Mesmo assim, o mais bonito de estar confuso é o charme que aparece quando encontramos o que estávamos procurando: sua solução.
A solução para uma confusão pode ser algo muito grande, assim como pode ser algo muito pequeno. Pode ser algo simples, assim como pode ser algo complicado. Não importa. 
Muito se reclama da confusão e do seu estado confuso, mas paremos para pensar: se tivéssemos soluções rápidas para tudo, nunca iriamos evoluir. O príncipe só fica com a princesa no final por que entre o "Era uma vez" e o "felizes para sempre" há uma grande confusão. 
Confusões são boas. Lá no fundo, mas são. Elas nos fazem pensar melhor, evoluir, refletir. As vezes elas podem parecer sufocantes como se nunca fossemos encontrar uma luz no fim do túnel, mas não é bem assim: quanto mais confusos ficamos, mais entendemos a vida e suas voltas. Ficamos mais maduros e sábios. 
De qualquer forma, viva as confusões.


Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário