Eu sei que sempre dizem que a mudança deve ser de dentro para fora, mas na realidade, não é bem assim que funciona: 
Lógico, que o ideal (até mesmo um pouco utópico) é primeiro você mudar por dentro, mudar sua essência, mudar quem você é, para depois mudar por fora. Ou até como os mais utópicos diriam, a mudança externa vai acontecendo ao mesmo tempo que a mudança interna. 
Mas as vezes queremos mudar radicalmente: queremos ser outra pessoa,  com novos hábitos, amizades e comportamento. E nós não estamos com paciência de esperar o nosso interior se refazer a partir das nossas novas ideias. Por isso digo que não há mal nenhum em mudar primeiro o externo e depois o interno. 
Novo estilo, novo corte de cabelo, novas roupas, pode ajudar. As vezes, quando mudamos primeiro o externo, estamos só dando uma "mãozinha", um "empurrãozinho" para o interno ir lá e fazer sua parte na transformação.
Quando a mudança é primeiro externa, você está dando o primeiro passo para fora da sua caixa, da sua zona de conforto. Por que cá entre nós, humanos, somos apenas capazes de mudar quando realmente precisamos. A raça humana só evolui quando em crise. Se uma raça toda é assim, qual o problema de continuarmos seguindo essa linha de raciocínio? 
Se você quer mudar, seja sua atitude ou qualquer outra coisa, você vai ter que se provocar. Vai ter que se colocar em uma zona de perigo, e principalmente, se obrigar a correr riscos. Nenhuma mudança é fácil, porém todas são necessárias para nossa evolução - até mesmo as mudanças "ruins". Tanto por que, não há mudanças verdadeiramente ruins.


Beijos 
S.S Sarfati

Deixe um comentário