Esses dias marquei de encontrar com a minha mãe no shopping e enquanto ela não chegava decidi dar uma volta na livraria para o tempo passar mais rápido. Geralmente eu fico na parte de literatura nacional, internacional, clássicos, filmes, músicas, essas coisas. Nunca saio muito disso. Só que ela demorou bem mais do que eu achei que ela iria demorar.
Claro que com um sorvete tudo passa mais rápido, mas até o sorvete chega ao fim. Quando o sorvete chegou ao fim fui explorar os cantos que eu não estou acostumada. Claro que não fui dar rolê na parte de livros de Medicina, né? Fiquei na parte de livros infantis e me surpreendi muito com a quantidade de livros que tinham lá, era uma infinidade de títulos! Comecei a ler título por título e me lembrei de como eu me sentia quando eu ia para a livraria justamente para ir naquela parte da livraria, quando eu simplesmente ignorava o restante dos livros justamente porque eu achava que aquela parte era a melhor, quando eu simplesmente não entendia o porque dos meus pais nunca ficarem lá comigo, afinal, era a parte mais alegre da livraria!  
Engraçado como parece que fiquei horas observando os títulos quando na realidade fiquei pouco mais de quinze minutos, mas algo chamou minha atenção muito mais do que a passagem do tempo: os títulos dos livros infantis são absurdamente simples abordando temas bastante complexos. Por exemplo, um que me chamou bastante a atenção, era "Meu Avô Italiano" que aborda a questão da imigração no brasil - uma questão amplamente discutida tanto nas aulas de História e Geografia como na questão da formação da identidade brasileira.
Se esse livro fosse para adultos teria um título muito mais complexo. Claro que eu sei que a abordagem seria outra e bem mais aprofundada, mas por que nós, adultos, precisamos complicar tudo? Por que nós achamos que crescer é sinônimo de "complicação"? Não, não é. Não precisa ser. Crescer é só crescer, complicar é outra coisa.
Muita gente diz que tem saudades da infância, quando não tinha preocupações diferentes da hora em que seu desenho favorito ia passar. Tudo bem que hoje você provavelmente não tem um desenho animado favorito, mas aposto que você tem uma série favorita. Então por que você não se preocupa com o horário dela? Claro que não é a mesma coisa, mas é um começo. Coloque na cabeça que o passado não vai voltar mais e você já deu um passo importante para parar de ser um adulto sem graça. Ser criança é legal, mas usando uma das frases favoritas da minha mãe, toda fase tem sua parte legal. Se ser adulto é chato por causa das responsabilidades, por outro lado você tem a liberdade de fazer o que quiser com a sua vida, de ganhar seu próprio dinheiro e gastá-lo como quiser. Quando você era criança você era refém das decisões dos seus pais e nem sempre concordamos com o que nossos pais decidem. Viu, ser criança não era perfeito. Tentar aproveitar o dia a sua maneira não é crime hediondo, não dá cadeia. Crescer é obrigatória, se tornar chato é opcional. Por mais que estejamos presos a estudos ou trabalhos não muito agradáveis, somos livres para jogar tudo isso para o alto - a questão é que na maioria das vezes não é sensato fazer isso, mas outra coisa que não é sensato é viver uma vida chata e culpar a passagem do tempo por isso.

Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário