WeHeartIt

O que dizer dessa quarta temporada que eu mal terminei e já considero pra caramba? 
Sim, eu sei que a temporada mais recente de House Of Cards foi lançada em Março, mas só agora, aproveitando minhas madrugadas livres de férias, que eu consegui assistir as manobras políticas de Frank Underwood e o meu único comentário sobre a minha demora é: como demorei quase nove meses para assistir a que foi, na minha opinião, a melhor temporada da série?

Cuidado, os parágrafos a seguir têm spoilers, leia por sua própria conta e risco.

Em tempos em que discute-se a legitimidade do governo Temer aqui no Brasil, em House Of Cards, Frank não poupou manobras políticas para depor todos que estavam no seu caminho para se tornar o homem mais poderoso do mundo até dar o golpe de mestre tornando-se presidente após a renúncia do presidente Walker na 2º temporada. Enquanto na penúltima temporada, vimos Frank relativamente calmo, sem grandes manobras políticas até o final da temporada quando, contrariando o partido, Frank decide se candidatar a presidência. Por isso, começamos a quarta temporada com o Frank Underwood tentando ser nomeado presidente pelo  partido Democrata contra a antiga Advogada Geral dos Estados Unidos, Heather Dunbar. E quer saber o pior? As coisas não vão nem um pouco bem para os Underwood - nenhum dos dois: o casamento não vai bem e Clair decide buscar refúgio na sua cidade natal Dallas, no Texas - um estado tradicionalmente Republicano. Ela descobre que sua mãe sofre de um grave caso de câncer e isso nos permite ver um lado um pouco mais emocional dela, ainda que nada ao estilo de Grey's Anathomy.
Além disso, achei fantástico a maneira que ela cresceu durante essa temporada. Várias vezes me pegava pensando coisas do tipo "Eu quero ser como a Claire quando eu crescer!" porque ela se revelou uma mulher fantástica, grandiosa e muito diferente daquela que parecia existir apenas para estar atrás da figura forte que é Frank Underwood, contudo ela se mostrou tão forte quanto ele - especialmente quando ele sofre um atentado em meados da temporada. Vocês se lembram do Lucas Goodwin, editor político do Washington Herald e namorado da falecida jornalista Zoe Barnes? Após ser preso, Goodwin ajuda a polícia, é solto e entra no Programa de  Proteção a Testemunha, contudo, ele planeja um atentado contra Underwood e é morto pelo segurança do presidente, Edward Meechum que infelizmente também morre - o que abalou muito Frank, afinal, ele pediu pessoalmente que Meechum fosse promovido a segurança presidencial quando ele finalmente se tornou vice-presidente.
Frank Underwood continua nos fazendo cúmplices de suas artimanhas, tornando-se um verdadeira lobo na pele de cordeiro. Nós sabemos que o personagem dele é malvado e inescrupuloso, mas é quase impossível não torcer por ele, mesmo sabendo que o que ele almeja fazer é errado. Após o atentado, a imprensa ganha grande espaço na série, quase tanto quanto na primeira temporada e tudo isso pelas mãos do antigo editor-chefe do Washington Herald, Tom Hammerschmidt que cria uma equipe aos moldes de Spotlight para desmascarar Underwood e a temporada acaba sem sabermos das consequências da matéria publicada, embora imaginemos serem muito desastrosas ao atual governo.

Eu não posso acreditar no modo que a temporada acabou. Ouvi dizer que a 5º temporada será lançada em Fevereiro e eu espero que seja verdade, porque pretendo maratonar tudo em único final de semana!  hahaha
E vocês, o que acharam da temporada mais recente de House Of Cards? Gostaram?
Beijos
S.S Sarfati 

UM COMENTÁRIO ❤

  1. Boa demais essa serie assiste ela e amei que pena que a próxima só vai sair no meio do ano que vem.

    www.blogfabianacarvalho.com

    ResponderExcluir