Sala de Estar Colorida
Pinterest

Eu sei que o nome dessa série de posts é "Odisseia de Morar Sozinha" e este nome, antes que me perguntem, é inspirado em um grupo do facebook de mesmo nome. Legal né? Então, apesar do nome especificar bastante a parte de "morar sozinha" eu não moro completamente sozinha, eu só "saí" da casa da minha mãe. Entre aspas porque como eu não trabalho ainda minha mãe quem me sustenta, é como se eu morasse com a minha mãe a distancia. 
Como eu falei no post sobre os móveis do apartamento, minha mãe já comprou a maior parte dos móveis do apartamento então passaremos o ano pagando os móveis e é muito complicado sustentar a filha em São Paulo em um padrão de classe média e pagar as prestações de móveis de uma casa, por isso, quando surgiu a oportunidade de uma outra menina vir morar comigo e não apenas dividir as despesas como pagar um aluguel é claro que aceitamos.
Eu já mencionei no post sobre a limpeza do apartamento que ela existia, mas nunca falei dela especificamente, mas, roomie, chegou a sua hora!
Para falar que não nos conhecíamos, ela foi me visitar na maternidade quando eu nasci. Minha mãe e o pai dela trabalharam juntos no início dos anos 1990, quando os dois ainda moravam em São Paulo, e são amigos desde então, mais um motivo que acharam que seria uma boa ideia para ambos se morássemos juntas, afinal, nenhum dos dois teriam que sustentar suas respectivas filhas morando em São Paulo sozinhas - considerando que o custo de vida aqui é mais caro do que nas cidades do interior de SP que morávamos. 
Preciso admitir que 80% é indiferente. Ela trabalha o dia todo fora, ou seja, quando ela acorda eu estou dormindo e quando ela volta eu geralmente já saí para ir para a faculdade e quando eu volto ela já está dormindo. Nos vemos muito pouco, só nos finais de semana em que as duas estão aqui e quando ela volta segunda e terça (os dias que não tenho aula), então não é como se eu pudesse ter algo muito grande para reclamar. O problema são outros 20% do tempo.
Sabe aquelas coisas que você não sabe que te irritam até elas te irritarem? Eu sou filha única, então não estou acostumada com alguém mexendo na maneira que eu organizo as coisas - em casa minha mãe sempre me deu bastante espaço. Coisas como não deixar o microondas aberto depois de usar para não ficar cheiro, não tirar as coisas da tomada para economizar energia (já gastamos quase R$ 60 de luz por mês, acho um absurdo!), não guardar a louça,  não levantar o varal da lavanderia, esse tipo de coisa. Sei que tem coisas que eu faço que irritam ela, tipo tirar tudo da tomada para economizar hahahaha. 
Eu acabo não organizando ou decorando tudo do jeito que eu gostaria justamente por sempre pensar que não sou só eu então não posso só pensar no que eu quero. Isso é um pouco para mim, justamente por nunca ter precisado pensar na opinião de mais ninguém. Além disso, nós temos personalidades bastante diferentes e acho que isso gera algumas tensões às vezes, mas nada demais.
É um verdadeiro desafio, mas acho que está me fazendo ser uma pessoa mais calma, tolerante e paciente. Não sei se vou querer isso por muitos anos, mas por enquanto está me enriquecendo enquanto ser humano. 

E vocês, já dividiram a casa com alguém totalmente diferente? Se já, como foi? Se não, o que pensa da ideia? Me conta! 

Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário