Quem nunca errou que atire a primeira pedra. 
Vai parecer clichê, mas todo mundo erra. Sem exceção. É algo constante em nossas vidas: teremos que errar muito para acertarmos uma única vez. Teremos que aprender a errar, para sabermos quando estamos certos. Sem o erro não há o acerto. A variável é o que erramos: uma questão no vestibular, um caminho, uma atitude, um número discado... Qualquer coisa assim.
No final do dia, não há erro maior ou erro menor. São só erros. Erros que nos possibilitam tirar lições, e quem sabe, com sorte, não errar mais.
Mas o erro em si não é o problema: o problema é como encaramos ele. Errar não é sempre ruim, assim como acertar não é sempre bom. Devemos analisar bem a situação antes de colocar o erro como vilão de toda história. 
Como diria minha vó "há males que vem para bem", portanto substituindo para o atual contexto, fica assim "há erros que vem para acertar". Uma bobagem dita ou uma ação sem pensar, a primeira vista pode parecer o fim do mundo, mas talvez quando juntarmos com todo o restante do enredo, percebemos que aquele erro nos salvou de cometer um erro maior ainda ou até mesmo de acertar, por que nem todos os acertos são bons. Na maioria das vezes não são. 
Imagina uma história sem as cabeçadas do protagonista? Imagina um mundo onde todo mundo soubesse o que dizer, e disse, a coisa certa na hora certa? Imagina se você soubesse o que fazer, para que caminho seguir o tempo todo? Você nunca teria que dar um passo para trás, respirar fundo e analisar a situação de outra forma. 
Os erros ensinam enquanto os acertos premiam. E nem sempre ganhar o prêmio é bom. Por que embora em vários momentos ser obrigado a voltar para trás e reaprender antigas lições pode parecer algo sem sentido, no final das contas pode nos fazer ir ainda mais longe.


Beijos
S. S Sarfati

Deixe um comentário