Não sou exatamente o que pode se chamar de pessoa corajosa. Não sou do tipo que faz e depois pensa nas consequências, pelo contrário: sou do tipo que pensa demais e ai acaba não fazendo. Em raros momentos me exponho sem necessidade, ou seja, se tiver alguém para falar ou agir no meu lugar, muito provavelmente não vou fazer nada além de observar. Na verdade, eu só costumo fazer algo quando a água bate no umbigo. Com certeza 'coragem' não é uma das minhas principais qualidades, mas 'covardia' também não é um dos meus principais defeitos: quando é necessário que eu faça algo e não tem outra saída, eu vou e faço. E eu meio que me orgulho disso. Então eu me orgulho de só me mexer quando a água bate no umbigo? Sim, me orgulho. Eu poderia continuar sem fazer nada enquanto a água continuava subindo. 
Mas as vezes, nas circunstâncias mais variadas possíveis, eu tenho meus momentos de coragem e então eu percebo que são esses pequenos momentos de coragem que fazem a vida valer a pena. Se eu fosse corajosa o tempo todo, os pequenos momentos não iriam valer a pena, seriam só mais um momento e não 'o' momento. 
Quando eu crio coragem para fazer algo ou falar algo com alguém, o simples fato de eu ter criado coragem me deixa feliz não importando o resultado. Se eu fosse uma pessoa corajosa o tempo todo, o resultado seria o importante. Não ser corajosa, nesse caso, me torna uma pessoa mais simples e talvez até mesmo mais feliz. Por que geralmente eu estou tão feliz de ter criado coragem para fazer tal coisa, que eu não crio expectativa nenhuma e o que vier é lucro. Não acho errado as pessoas que são mais corajosas, na verdade, admiro-as um bocado, na maior parte do tempo elas que fazem as coisas acontecerem. 

Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário