Um medo? Só um? Por que eu tenho vários: desde de medo mais físicos, como me afogar, medos banais, como barata, até medos mais filosóficos como medo de ser esquecida. E não é por conta de nenhum livro babaca de atualmente. 
Desenvolvi esse medo no final do último ano da escola e foi ficando pior com a maturidade: eu sempre fui bastante querida por alguns colegas, funcionários e professores quando estava na escola. Conforme os meses iam passando eu ia me perguntando até que ponto isso era concreto. Até que ponto aquelas pessoas não iriam de fato me esquecer e até que ponto o esquecimento era inevitável. Quando nós vivemos uma determinada situação ela sempre parecerá eterna, não importa o quanto momentânea ela seja.
Eu tenho medo que a vida não seja suficiente. Que ela passe muito depressa. Que ela seja muito curta. Que eu não tenha tempo de fazer tudo o que quero fazer, embora não saiba ao certo o que quero fazer. É engraçado por que quando dizemos "tudo o que quero fazer", geralmente as pessoas pensam que já temos mil e um planos, quando não necessariamente. Não sou obrigada a saber o que quero fazer para querer faze-las. Eu não preciso estar vivendo para querer viver. Eu não preciso estar vivendo um sonho para querer sonhar, basta quer sair de onde está e querer ir para um lugar diferente. Basta querer mudar. Basta querer viajar.

Deixe um comentário