Minha cidade tem palmeiras onde canta o sabiá. Espera, acho que não é bem isso. Não, eu tenho certeza que não é bem isso. 
Minha cidade é grande, mas não muito. Suja, mas não muito. Minha cidade é bem normal, para ser honesta. Eu sou bem normal, assim como minha vida como um todo. As vezes me encolho diante desses assustadores temas que me proponho a escrever: são temas grandes enquanto eu sou uma pessoa pequena. Pessoa pequena de história pequena com uma vida pequena. 

-Você não é pequena Nadine - diz o Heitor quando conto a ele minhas angústias - Você é grande. Grande como um pedaço de pizza.

De um jeito bem peculiar, acho tocante o que ele me diz. Claro que ser comparada com um pedaço de pizza não é o sonho de qualquer mulher, muito menos o meu, mas é adorável a preocupação dele comigo. Assim como a do Aurélio, que apesar da nossa conversa um pouco desastrosa outro dia, tem se revelado um ótimo amigo. Nunca tive a chance de conhecer esse lado mais maduro dele, maduro principalmente por conta da filha que ele tem agora. Ele parece ser um pai super dedicado, não posso garantir nada, mas é essa a minha impressão. 
Temos conversado bastante ultimamente, não no sentido de um pequeno e divertido flerte, mas algo um pouco mais fraternal. Essa "ligação" que estamos estabelecendo tem sido ótima para mim: eu tenho me reconectado com a doce e inocente Nadine que cursava o Ensino Médio. Não que eu não seja doce hoje em dia, mas quando se tem dezessete anos é tudo mais lindo e mais maravilhoso. 
Eu tomei uma decisão importante sobre a minha vida: vou falar menos e fazer mais. Ou seja, não vou apenas escrever que tenho que tomar as rédeas da minha, vou de fato tomar as rédeas da minha vida. Se eu acho que o Heitor é boa pinta com aquele negócio do charme intelectual, eu devo pelo menos tentar conversar com ele sobre isso. Aurélio, como homem, acha que devo ir sem medo. Tudo bem que ex é ex, e que se fosse bom seria atual, mas...
Heitor é um tipo difícil, admito. Embora eu ache que já tenho um pouco mais da metade do caminho andando no quesito aproximação, uma vez que já sou amiga dele a tantos anos, mas mesmo assim algo nele ainda me apavore. Será que é amor? Estar amando significa estar sempre um pouco apavorada com a outra pessoa não importando quanto tempo você a conheça e conviva com ela? Que definição engraçada... E pensar que Camões havia dito que "amor é fogo que arde sem se ver".

UM COMENTÁRIO ❤

  1. Como assim "nenhum comentário"???? Caramba, menina! Você escreve demais! De onde cê tirou tudo isso? Simplesmente amei e só li um! Vou continuar lendo o restante porque gostei :)
    Lilás & Sol

    ResponderExcluir