Este é o meu filme clichê favorito: "Simplesmente Amor". Tem clichê, tem natal então tem tudo.

Passamos tanto tempo das nossas vidas criticando o clichê dos filmes e livros que muitas vezes não nos damos conta de quanto criticar o clichê é algo tão clichê quanto o próprio clichê. 
Nunca tinha pensado desta forma, mas hoje fui apresentada a uma perspectiva diferente de encarar os filmes clichês que tanto amamos (uns amam mais do que os outros, claro): ao invés de assistir a um filme desses e ficar pensando que é tudo ridículo e improvável porque na vida real nada é daquele jeito realmente, tente ver como é bonito quando o destino age em prol de duas pessoas que nunca iriam se encontrar por caminhos normais. Era para ser. Que nem naquele filme "Os Agentes do Destino" (o filme nem é tão clichê assim, mas fala bem sobre essa coisa de duas pessoas se encontrarem ao "acaso", super recomendo.).
Eu gosto muito de pensar e querer entender mais essa coisa de destino por que às vezes as coisas acontecem em uma ordem tão simplesmente perfeita que não dá para acreditar que realmente aconteceram do jeito que aconteceram e o mais engraçado é que a luz que mais ilumina surge no momento em que você mais está acostumado com a escuridão. Aquela velha coisa de dizer que quando menos esperamos as coisas acontecem. Eu acho o destino uma coisa linda, um verdadeiro dono da razão que a própria razão desconhece (falando sério, quantas vezes  eu já não disse isso por aqui?).
Dá para imaginar que algumas coisas na sua vida, talvez nem sempre as melhores, aconteceram simplesmente por que elas teriam que acontecer de alguma forma em determinado momento? Não estou dizendo para ficarmos acomodados esperando o destino fazer tudo, tanto que, o sucesso só aparece quando estamos ocupados demais trabalhando para procurar por ele (esse é um exemplo de frase que eu vi em uma agendinha e acabei guardando comigo com o tempo). Além do mais, sempre podemos mudar quando não estamos confortáveis. Sempre temos outra saída e sempre podemos nos tornar nossos próprios heróis. 
Eu só estou tão simplesmente encantada com esta nova perspectiva que encontrei (e quem disse que encontrá-la não foi algo do destino?) para um tipo de filmes/livros que eu sempre gostei que eu não podia guardar apenas comigo, eu precisava espalhar por aí. Eu sou grata ao destino que me conduziu até essa tela vazia para que eu pudesse encher de texto e compartilhá-lo por aí, mas principalmente sou grata ao destino ter me apresentado a todas as situações quase que bastantemente clichê que ele me apresentou. Obrigada.

Beijos
S.S Sarfati
PS: eu provavelmente vou pegar neste ponto mais vezes, então se você tem algo a dizer fale agora ou cale-se para sempre. 

Deixe um comentário