Lembro-me da primeira vez que escutei a música "School's Out" do Alice Cooper. Eu estava no primeiro ano e apesar de todo aqueles sonhos de alguém que acabou de entrar no primeiro, eu estava doida para acabar o Ensino Médio. Eu estava doida para começar a vida adulta, para crescer, para experimentar e descobrir coisas novas. No fundo eu estava apenas doida para viver um pouco, coisa que eu nunca tinha feito antes. 
O que eu não sabia era que para começar a viver eu não iria precisar de um grande marco na minha vida como terminar o Ensino Médio/entrar para a faculdade e sim um grande marco no meu pensamento. Eu iria precisar começar a pensar diferente, agir diferente, para que as coisas pudessem começar a ser realmente diferentes. Ou nenhuma dessas conquistas teriam realmente valido a pena. 
Quando eu percebi isso fiquei bastante desolada, confesso, e fiquei mal por um tempinho. Não entendia o que eu estava fazendo, por que estava fazendo ou para quem eu estava fazendo e simplesmente não via sentido na maioria das coisas que eu fazia ou pretendia fazer. Então eu joguei tudo para o alto, absolutamente tudo: boas notas, bons relacionamentos com todos e todas as outras coisas que eu não via um objetivo genuíno em estar fazendo. Claro, que não virei baderneira nem coisa do tipo, eu estaria só fazendo tipo e não haveria diferença alguma em virar uma baderneira ou continuar sendo perfeitinha uma vez que nenhuma das duas opções me agradavam. 
Eu fui apenas eu mesma e fiz do meu jeito. E foi a melhor coisa que eu poderia ter feito. 
Foi a melhor coisa que eu poderia ter feito por que independente do resultado, foi algo feito por mim. Foi a primeira vez que eu vivia as consequências das minhas escolhas e não das escolhas que haviam feito por mim. Eu já estava infeliz então o quanto pior poderia seria ser infeliz da minha própria maneira? E foi a melhor coisa que poderia ter me acontecido. Quando você chega ao fundo do poço sozinho, você sabe que você só vai sair de lá sozinho. 
Eu me tornei exatamente quem eu tanto queria ser quando acabasse a escola, eu mesma.
Então acabar a escola se tornou algo triste e sem sentido para mim, eu já era quem eu queria ser e estava feliz por estar onde estava. E tudo isso simplesmente por que eu havia aberto a cabeça a novas ideias. 
Mais do que apenas aprender conteúdos que adultos bastante graduados consideram essenciais para que eu seja considerada alguém, eu aprendi a pensar e principalmente a viver. E este é o grande ensinamento da escola, mas que na maioria das vezes se perde em meio a conteúdos para o vestibular. Do que adianta passar anos na escola se eu não sair de lá nem um pouco melhor do que quando entrei? Por que frequentar uma escola que vai me fazer sair cada vez mais máquina e menos humana?
Eu levei umas duas semanas depois de ter pego o resultado de 'aprovada' para conseguir escutar 'School's Out' e entender que embora aquela fosse mais minha música do que nunca, ainda não fazia sentido para mim e talvez nunca fizesse.

Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário