Labirinto, Isso me lembra aquelas atividades que eu fazia na escola quando eu era bem novinha em que eu tinha que pintar o caminho certo para sair do labirinto, era engraçado porque a professora fazia rodas para discutirmos técnicas para achar o caminho certo. Eu sempre errava o caminho até o dia em que eu percebi que se eu fizesse do final para o começo as chances de eu acertar eram muito maiores e era incrivelmente mais rápida do que quem começava do jeito tradicional. Eu nunca contei minha tática para ninguém, por isso que na primeira série eu era considerada a lenda viva dos labirintos. 
Eu não sei porque eles faziam a gente fazer isso, não sei se era a minha professora ou a minha escola ou até mesmo se alguém ainda faz isso em pleno 2015 (acredito que não usem mais lápis de cor, deve ser tudo no tablet), mas acho que devia ser por causa de algum recurso pedagógico para desenvolver alguma coisa nas nossas cabecinhas de primeira série. Sei que nunca foi o objetivo de nenhuma pedagoga desenvolver nas crianças algum ensinamento para a vida, mas foi isso que aconteceu quando eu fazia o caminho reverso: eu começava no meu objetivo e voltava para o início então eu nunca soube ao certo as dificuldades para chegar lá. Eu me enganei o tempo todo.
Hoje eu me tornei uma adulta que sonha com o objetivo, mas que não sabe ao certo as dificuldades que vai encontrar no caminho por isso quando encontra com elas acaba desistindo fácil e fica com fama de quem desiste de tudo, sendo que na verdade, eu nunca aprendi correr atrás dos meus objetivos. Como posso fazer uma prova sobre um conteúdo o qual eu nunca estudei?
Labirintos são engraçados por outro motivo: mesmo que você erre muito, de um jeito ou de outro, você vai sair de lá e eu gosto de acreditar que na vida as coisas também funcionam assim.

UM COMENTÁRIO ❤

  1. Caara, na moral, eu fazia o mesmo e juro a ti que fiquei com medo de ser o labirinto o culpado de minha vida agora.
    Não canso de ouvir pessoas dizendo que nunca termino o que comecei outrora.
    Parabéns mesmo pelo texto, sei que existem outras como nós e um dia verão isso.

    ResponderExcluir