Encontre alegria no ordinário

Tem certas coisas na nossa vida que passam sem darmos conta, o clássico exemplo disso é o tempo. Como diria Machado de Assis, nós matamos o tempo e ele nos enterra. Triste, mas o grande problema por trás disso é aquela coisinha chamada felicidade. Nós temos o terrível hábito de associar felicidade com determinada época de nossas vidas e não a um estado de espírito específico. Não é como se pensássemos "queria ser tão feliz quanto eu era quando tinha quinze anos" ao invés de "nossa, queria ter quinze anos de novo" ou  melhor "ah, se eu tivesse quinze anos com a cabeça que eu tenho hoje". Acabamos lamentando que não somos tão felizes quanto éramos naquela época do que pensando que se fomos plenamente felizes uma vez, conseguiremos ser plenamente felizes de novo, afinal, já vimos que temos a felicidade dentro de nós.
É complicado julgar a felicidade. O que é felicidade para você é o inferno de outra pessoa e o contrário também é válido. Claro que algumas coisas como ter uma cama quentinha para dormir, comida sempre que estamos com fome é algo que ajuda em ser feliz, mas a partir do momento em que isso é rotineiro, acaba passando desapercebido e não é um motivo para felicidade. Disse tudo isso para dizer o óbvio: quando alguém estiver comentando que está infeliz, não comente coisas como "pelo menos você tem o que comer". É ridículo e mostra que você, além de não ter empatia, é insensível. Por isso, se você é insensível com a dor do outro, limite-se a balançar a cabeça e dizer "conta comigo". Quando se está infeliz a última coisa que você quer ouvir é que tem alguém passando fome.
Felicidade é algo subjetivo demais para fazer verdades universais em cima disso, mas se tem algo que eu aprendi sobre felicidade recentemente é que para algumas pessoas nem toda felicidade do mundo será suficiente pelo simples fato de que a pessoa compara sua felicidade com a das outras pessoas. Ela olha para uma fotografia de pessoas conhecidas sorrindo e se pergunta porque isso só acontece com os outros ao invés de tentar observar os pequenos sorrisos a sua volta. Com pessoas diferentes, as pessoas expressam seu carinho de maneira diferente e isso não é necessariamente algo ruim, sendo apenas diferente. 
Seria muito mais fácil tentar ser apenas feliz do que competir com o outro sobre quem é mais feliz. Não existe uma competição onde o mais feliz ganha. Claro que há, coisas que socialmente foram colocadas como "itens da felicidade", mas cabe a nós, seres pensantes, não cairmos nessa e sempre o nosso significado para a palavra felicidade. Não há como programar nossa felicidade, mas há como tentar ao máximo ser feliz. 

Beijos
S.S Sarfati

Deixe um comentário