"Eu não sou uma dama, eu sou uma jornalista"

Para início de conversa, gostaria de anunciar que este é o meu primeiro colab. Para quem não sabe, colab é quando várias pessoas fazem posts sobre os mesmos assuntos interligando-os. Este daqui é com a minha colega de faculdade, embora ela esteja quatro semestres na minha frente, é a Flávia do canal Jornalista Curiosa. Decidimos falar sobre fatos sobre a faculdade de Jornalismo. Sabe aquele tipo de coisa que a gente só descobre quando entra na faculdade? É disso que estamos falando! Além de dar as dicas, decidimos exemplificar com um filminho - porque tudo fica melhor com um filme.


Há muito ego dentro da faculdade de Jornalismo: eu só percebi isso quando entrei na faculdade, mas Jornalismo envolve muito ego e às vezes isso gera algumas brigas e intrigas. Muita gente confunde características da área de Comunicação com "aparecer" e aí começam brigas para saber quem chama mais atenção, quem é o que parece ser melhor (nem sempre quem parece ser o melhor é o mais talentoso)... Esse tipo de coisa boba e quase infantil. Contudo, a faculdade é um ensaio para a vida adulta e isso ocorre muito no filme Todos Os Homens dos Presidente (1976). O filme conta a história verídica dos repórteres que descobriram o escândalo de Watergate que é o maior escândalo político da história dos Estados Unidos que levou a única renúncia da história deles: do presidente Nixon. No filme, os jornalistas do Washington Post que seriam os responsáveis em levar isso a público, têm diversos conflitos de ego.


É importante estar atento aos detalhes: sabe quando você está assistindo a uma série policial no melhor estilo Law & Order e o detetive diz para a vítima falar qualquer coisa que ela lembrar porque mesmo o menor detalhe pode ser importante? Isso também funciona para o Jornalismo. Às vezes deixamos passar coisas importantes por considerarmos que são detalhes pequenos demais e um ótimo exemplo disso é que no filme Spotlight: Segredos Revelados (2015) a equipe do Boston Globe já havia produzido algumas matérias sobre padres pedófilos, mas eles nunca haviam feito a conexão entre eles e isso só foi possível quando entrou um novo editor chefe que viu tudo com novos olhos. Eu até já falei deste filme aqui.


Às vezes é preciso dar tudo de si: quando se está escrevendo uma matéria, especialmente de cunho investigativo, você precisa realmente se envolver com aquilo se quiser fazer algo bem feito. Eu posso ter escrito poucas matérias ou produzido poucas coisas para a faculdade por estar no início do curso, mas escrevo para o blog há quase cinco anos e já percebi que se eu quero algo bem feito é preciso de envolvimento, horas "desperdiçadas" fazem parte do pacote. O filme Cidadão Kane (1941) é considerado o melhor filme de todos os tempos e conta a história do magnata da comunicação Charles Kane, mas não é sobre ele que vamos falar. O filme começa com a morte do protagonista e há várias notícias sensacionalistas que envolvem ele, mas há um jornalista Jerry Thompson que decide investigar o significado da última palavra dita pelo magnata Rosebod (buque de rosas em tradução livre para o português) e ele realmente se entrega a essa investigação descobrindo vários fatos sobre Kane.

Não tente inventar coisas para aparecer: sabe o que eu falei lá no início sobre ego? Pode considerar este tópico uma continuação daquele. Por querer chamar a atenção, pode acontecer de querer aumentar alguns fatos ou até inventar alguns, mas é preciso resistir a tentação e não fazer isso. É preciso contar o que aconteceu com precisão. Caso o assunto não seja por si só interessante, é preciso que a maneira que você conta faça-o interessante, mas NUNCA inventar ou aumentar algo. É preciso contar a verdade, somente ela. No filme O Preço De Uma Verdade (2003), baseado em fatos reais, o jornalista Stephen Glass escreveu na revista New Republic por três anos e durante este tempo, das 41  histórias que ele escreveu, 27 foram totalmente ou parcialmente inventadas.

Os outros fatos sobre a faculdade de jornalismo você encontra no player abaixo. Não se esqueça de conhecer o blog também (clique aqui)


Beijos
S.S Sarfati

4 COMENTÁRIOS ❤

  1. Amei o post!
    Eu vou pro primeiro ano do ensino médio agora e pretendo fazer jornalismo mas sempre tem aquela dúvida né! Eu adorei o jeito que você usou os filmes e já anotei todos pra assistir! Vou lá ver o vídeo do teu colab.

    Bjos!
    livrebeleza.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu to indo pro quarto semestre de jornalismo. E acho que o que mais identifica as turmas em geral é essa briga de ego. Sem querer, às vezes eu mesmo acabei nessa. Uma pena é que da sua lista só vi Spotlight... :( But, eu vou anotar todos aqui pra ver depois. Tenho alguns pra recomendar, mas preciso conferir no meu Filmow depois. Sabe como é, essa memória fraca... haha

    Adorei o blog, seguindo aqui!

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  3. Faço faculdade de Administração, mas confesso que já passou pela minha cabeça muitas vezes fazer jornalismo. Esses dias li 'A última carta de amor' onde a história tem muitas parte em um jornal (dois personagens são jornalistas) e a vontade voltou com tudo. Espero um dia poder fazer.
    Amei o post <3

    Born in 1996

    ResponderExcluir
  4. Adorei o post... Às vezes penso em cursar jornalismo, parece ser muito legal... Sobre o que escreveu, concordo que nem sempre aquele que se mostra como melhor e faz todos acreditarem nele é o que tem talento.

    ResponderExcluir