Eu sinceramente não te entendo e não faço a mínima ideia de como desembaralhar os sinais tão bem codificados que você me passa. Sério, não dá para entender como você faz isso tão aparentemente sem nenhum peso na consciência, talvez porque você não tenha consciência. 
Você é quase um gênio do crime para mandar sinais com duplos sentidos, sinto arrependimento na sua voz quando você fala comigo muitas vezes com o olhar abaixado sem conseguir me encarar. O que há com você? Não consegue lidar com o que está dentro da sua cabeça? Com o que talvez esteja querendo não querer?
Seus sentimentos a parte, eu quero saber dos meus e o que é mais difícil entender é como pude deixar você se aproximar de mim a ponto de eu me sentir balançada com seus jogos de sinais. Antes de te culpar você por me arrastar para a sua confusão emocional, eu me culpo por deixar ser arrastada para  isso tudo. Justo eu, sempre tão centrada, racional correta - o que eu fui ver em você?
Talvez eu estivesse cansada de me interessar pelos caras os quais me interessei: tão sensatos, tão parecidos comigo. Talvez eu não tenha me atraído por você, mas pela antítese que formamos. Eu me atraí pela ideia e quanto mais eu conheço você mais me atraio pelo que antes eu considerava defeitos e hoje considero suas maiores qualidades. Você levou embora minha tranquilidade e colocou uma colônia inteira de borboletas vivendo dentro do meu estômago. 
O que mais me irrita em você, como se fosse possível escolher apenas uma coisa, é como você demonstra e para de demonstrar. Isso é uma espécie de jogo que eu não escolhi participar? É muito cômodo para você escolher quando demonstrar como se isso te fizesse mais forte ou charmoso, mas isso só te faz cada vez mais covarde e eu estou cansada de esperar. Eu estou cansada de achar que seu amor platônico por mim basta. Isso não é amor. Amor não é o que me faz sofrer porque alimenta teu ego, amor não é onde um tem o controle da situação e joga com isso. Amor é algo que nos transborda: você não transborda, você não se deixa transbordar.

Beijos
S.S Sarfati 

Deixe um comentário